Segunda-Feira, 26 de Junho de 2017

Publicidade

ASPOL

Publicada em 03/06/2016 | Autor: QAP

Saiba por que as polícias devem fazer greve o mais rápido possível
Saiba por que as polícias devem fazer greve o mais rápido possível

Em outubro de 2015, o policial civil Marcos Vinicius foi assassinado em serviço, na cidade de Puxinanã (PB). Em fevereiro de 2016, o tenente Ulysses foi executado a tiros enquanto trabalhava, em João Pessoa.

Há duas semanas, o agente penitenciário Alberto de França, diretor da cadeia pública de Solânea (PB), foi alvejado e ficou tetraplégico. Tudo indica que a ordem para matá-lo saiu e dentro do sistema prisional. Os amigos estão tentando arrecadar dinheiro para ajudar nas dolorosas despesas que estão por vir.

É assim no Brasil inteiro. Mas como não podemos abraçar todo o país, foquemos no nosso estado – Paraíba – para dizermos à Nação por que os profissionais de segurança DEVEM entrar em greve.

CRISE?

Na madrugada dessa quinta-feira, 2 de junho, a Câmara Federal aprovou (por que na madrugada?) o reajuste salarial bilionário para um monte de categorias profissionais. Na reportagem da TV Globo, a jornalista transmitiu duas explicações para isso:

“Explicação técnica”: os reajustes estavam previstos no Orçamento.

“Explicação política”: não é o momento de desagradar o funcionalismo público.

PARAÍBA

Excelentes justificativas. Na Paraíba, existe algo nada menos do que uma lei prevendo e mandando reajustar os salários dos servidores do estado todo santo janeiro. Mas sob a alegação da tal ‘crise’, o governo simplesmente ignorou o que diz a legislação, asfixiando ainda mais quem faz a máquina andar. Talvez o governo da Paraíba não tenha aprendido a lição que vem da Câmara Federal e diz “não é o momento de desagradar o funcionalismo público.”

CÂMARAS

A conversa mole da tal ‘crise’ não se limita aos grandes poderes. Em muitos municípios de médio e pequeno portes, suas câmaras municipais estão reajustando os salários de seus produtivos e empenhados vereadores.

Em Campina Grande, a história é de que o salário dos edis passará de R$ 12 mil para R$ 15 mil. Em entrevista ao portal Paraibaonline, um dos parlamentares daquela casa argumentou que “o reajuste do salário é constitucional; é uma lei”.

Na sertaneja cidade de Itapetim (PE), de acordo com blogs daquele estado, os políticos querem aumentar seus salários de R$ 4 mil para R$ 7,5 mil. Praticamente dobrar a grana. E que se dane a ‘crise’.

E assim, o deboche escancarado com o povo brasileiro, acerca de uma suposta fragilidade na economia do país, vai sugando ainda mais de quem não tem e aumentando – na cara de pau – a renda dos que já, por vida, se deleitam no gozo eterno da escrotagem.

É GREVE! É GREVE! É GREVE!

A família de Marcos Vinícius perdeu a companhia do policial em casa e METADE (ou mais) dos parcos vencimentos a ele concedidos em vida. Idem para o tenente Ulysses. O agente penitenciário Alberto de França, no momento em que mais precisa de recursos financeiros, ganhou como recompensa a METADE (ou mais) de seu salário surrupiado. Claro. O dinheiro para o reajuste (mesmo em tempos de ‘crise’) de outros setores tem que vir de algum lugar.

Todo e qualquer movimento grevista na segurança pública deste país – e da Paraíba, especificamente – tem, sim, argumentos de sobra para justificar a paralisação das atividades. O resto é safadeza e politicagem.

Está na hora do basta.




Leia Também

  1. “AUMENTOU”: O que houve com a ‘estratégia’ assinada...
  2. O exemplo do Maracanã e do juiz que mandou prender um polic...
  3. “QUEIMADAS”: Uma ação digna de elogios, mas sufocada p...

Publicidade

Borda Comunicação