Sexta-Feira, 23 de Junho de 2017

Publicidade

ASPOL

Publicada em 17/01/2017 | Autor: QAP

“AUMENTOU”: O que houve com a ‘estratégia’ assinada em 2010 para frear a violência no Brasil?
“AUMENTOU”: O que houve com a ‘estratégia’ assinada em 2010 para frear a violência no Brasil?

Em fevereiro de 2010, os presidentes do Conselho Nacional de Justiça, do Conselho Nacional do Ministério Público e o Ministro da Justiça (foto) “decidiram unir esforços em torno da criação de uma estratégia, em âmbito nacional, que fosse capaz de mobilizar todos os órgãos do Sistema de Justiça e de Segurança Pública, em torno da execução coordenada e planejada de ações que contribuíssem para tornar efetivas as políticas públicas de prevenção e combate à violência no país”.

O trecho está entre aspas porque foi exatamente dessa forma que o Ministério da Justiça publicou o feito, junto com a foto das autoridades assinando o tal ‘pacto’, naquele fevereiro de 2010. De forma resumida, a ideia era adotar medidas para diminuir o número de homicídios no Brasil.

Só que, naquele 2010, o país contabilizava 52.260 assassinatos. E o que aconteceu nos quatro anos que se passaram desde aquela “união de esforços”? A incidência de homicídios simplesmente subiu para 59.627 homicídios, de acordo com os dados do Mapa da Violência de 2014. Ou seja, a ‘estratégia’ não deu resultados até o momento.

Passados sete anos – e agora com a tardia explosão de violência e sangue no sistema prisional –, o Ministério da Justiça volta a elaborar um “Plano Nacional de Segurança Pública”. Autoridades de todo o país têm se reunido com a intenção (dizem) de tentar frear a matança que há um bom tempo faz do Brasil o país campeão mundial em números absolutos de mortes violentas.

O nome, pelo menos, mudou. Aguardemos os resultados. 




Leia Também

  1. O exemplo do Maracanã e do juiz que mandou prender um polic...
  2. “QUEIMADAS”: Uma ação digna de elogios, mas sufocada p...
  3. ‘CASO BESSA’: Por que a polícia não entrou em confront...

Publicidade

Borda Comunicação